Textos e Estudos Bíblicos
OS FELIZES EXCLUÍDOS PDF  | Imprimir |  E-mail
Escrito por Redação CBB   
Qua, 21 de Janeiro de 2015 11:04

OS FELIZES EXCLUÍDOS

Lucas 6.20-21

Hoje, todos evitam a famosa “exclusão”. Todos querem sentir-se incluídos. Na Educação, há o princípio da inclusão: todas as crianças em sala de aula mesmo aquelas com necessidades especiais. As sociedades democráticas querem incluir todos pelos “direitos”. Nem mesmo igrejas excluem mais. Um dos piores sentimentos para uma pessoa é sentir-se excluída do grupo onde deseja estar. Na contramão destes sentimentos, Jesus vai dizer em Lucas 6.20-21 que seus discípulos sempre serão excluídos, sempre estarão inadequados em qualquer meio social.

Jesus está com uma grande multidão mas olha fixamente para seus discípulos (v. 20). Ele fala cara a cara numa conversa franca. Todo o texto que vai de Lucas 6.20-49 é o discurso que ele faz para seus discípulos e não para o mundo. Se você é discípulo de Jesus, este sermão é para você: “como devo viver, se sou discípulo dele?”. Mas ele também pergunta a mim e a você: “quer realmente ser meu discípulo? Vai ter de ser e agir assim. Você quer isto para sua vida?”. É esta a pergunta que teremos de responder.

Jesus começa sua mensagem aos discípulos com quatro bem-aventuranças. Hoje veremos as três primeiras. Bem-aventurança é um estado de graça, de felicidade que tem aqueles que foram abençoados por Deus. É viver alegre, feliz, em paz, de bem com a vida. Virando tudo que é conceito de cabeça para baixo, Jesus diz que são bem-aventurados os pobres (v. 20). Pobres aqui são aqueles que não possuem nada e, por causa disto, dependem totalmente de Deus para viver. Podem até ter bens mas não se apegam a nada deste mundo para viver bem. Entendem que sua vida aqui é passageira e que nada trouxeram para o mundo e nada vão levar quando saírem. Portanto, o único valor que lhes interessa é Jesus! Ele diz que estes pobres já possuem o Reino de Deus. Ou seja, aparentemente não têm nada mas tudo já pertence a eles. Numa sociedade que valoriza em extremo o ter: dinheiro, bens, poder, fama, autoridade e o prazer, vem Jesus dizer que vale mais quem não tem nada disso mas encontra, no Senhor, a razão de sua vida.

As outras duas bem-aventuranças estão no v. 21. Bem aventurados aqueles que agora têm fome. Eles não têm o necessário para alimentar a vida, para a sobrevivência e estão incertos sobre o futuro. Os que têm fome, a todo momento, precisam pedir a ajuda de Deus. Haverá um futuro em que estarão plenamente satisfeitos e cheios de fartura. Para Jesus, são bem-aventurados os que vivem esta vida chorando, sofrendo. Eles olham para este mundo tal como ele é com tanta maldade, violência, engano, opressão, imoralidade, desonestidade e choram dizendo: “as coisas não deviam ser assim”. São pessoas que sofrem as dores do mundo mas sabem que, por mais que hajam em sentido contrário, o mundo sempre será assim. Mas, o tempo vai chegar em que não haverá mais motivo de tristeza. Tudo estará em ordem e a justiça prevalecerá. Neste tempo, o riso será a atitude da vida. Um espírito de contentamento constante e eterno sentirão todos os que choram agora.

Quem são os discípulos de Jesus? São pessoas que não se dão bem com o mundo! Sofrem as dores do mundo mas não compactuam, não se amoldam, não se adequam a este comportamento pecaminoso. Eles são os excluídos deste mundo e, por causa disto, são felizes. Estão no mundo mas não pertencem a ele. Se você tem um sentimento de inadequação em relação aos valores e à forma como a sociedade os impõe, então há uma grande possibilidade de você ser um discípulo de Jesus. Se, por outro lado, você está perfeitamente integrado, em tudo, com a forma de ser desta sociedade, cuidado pois você pode não ter nada a ver com Jesus Cristo. Mas, a boa notícia para os discípulos é que o Reino já lhes pertence e, num futuro que não está longe, vencerão o mundo e a sua injustiça e seus desejos serão satisfeitos.

Torne-se um discípulo de Jesus Cristo para experimentar estas bem-aventuranças e, se já é, continue a fazer o bem, anunciar o Reino e a tentar “consertar” este mundo mesmo nada tendo, com fome e chorando. Em breve, o Dia da mudança vai chegar.

 
UM HOMEM BOM PDF  | Imprimir |  E-mail
Escrito por Redação CBB   
Seg, 12 de Janeiro de 2015 08:49

UM HOMEM BOM

Lucas 6.17-19

A bondade é um dos mais bonitos atributos dos seres humanos. No entanto, há muitas pessoas que praticam a bondade por motivos de interesse pessoal. É o caso de muita gente famosa como artistas, jogadores de futebol, políticos e outros que executam muitos atos de bondade mas o fazem com o interesse de que todos saibam e sua fama cresça mais. Também pessoas comuns são assim quando fazem o bem a alguém esperando um bom retorno. Mas há muitas pessoas que fazem o bem porque é do jeito de ser delas. Não esperam retorno, apenas sentem prazer em fazer o bem. O Senhor Jesus era um homem bom. Veja isto em Lucas 6.17-19.

Jesus desceu do monte onde escolheu os doze apóstolos. Ao pé do monte, numa região plana, uma imensa multidão o aguardava (v. 17). Havia ali, pelo menos, três grupos: os doze apóstolos, uma multidão de discípulos e uma multidão muito maior de pessoas que foram vê-lo e ouvi-lo. Lucas diz que veio gente de toda a Judéia e Jerusalém, e do litoral de Tiro e Sidom. Isto significa que pessoas viajaram cerca de 200 quilômetros a pé ou em um animal, inclusive levando gente doente, só para estar com o mestre. Jesus atrai todos a si. Embora evangelizemos, Jesus mesmo é quem atrai as pessoas a ele. O seu poder de atração garante que, em todo lugar e cultura, pessoas se tornarão discípulos dele. A evangelização e o trabalho missionário vão ter sucesso, do modo de Deus. Jesus é a razão de esforços muito grandes que são feitos pelos homens. Ele é digno de receber até o supremo esforço de alguém que consiste no martírio pelo seu nome. Qualquer esforço vale a pena de ser feito se for para honrar Jesus Cristo.

A imensa multidão que ali se reunia tinha três objetivos (v. 18). Eles queriam ouvi-lo. Sua mensagem era a palavra de um Deus de amor que gostava de cada um deles. Era também uma chamada ao arrependimento e retorno para este Deus, vivendo uma vida de amor e de retidão. Eles também queriam ser curados de suas doenças. Numa época em que não havia medicina para o povo, muitos morriam ou ficavam padecendo para sempre com suas doenças. Aí vem Jesus com o tremendo poder de curar. Sim, a multidão buscava cura física. Mas havia outro tipo de cura que eles buscavam: ter os demônios expulsos da vida de alguns e, desta forma, conseguir paz para a angústia. Jesus curava e expulsava demônios. Até hoje, ele continua a dar saúde e paz de espírito àqueles que lhe pedem pois ele continua a ser o mesmo que sempre foi: um homem bom!

Todos procuravam tocar nele (v.19). Havia uma força que saía dele e, pelo toque das pessoas, curava-os. Sua bondade era tão grande que extravasava dele para abençoar os outros. Pense bem: se as pessoas tocavam em Jesus e eram curadas só por este toque, onde Jesus estava? Obviamente, andando no meio da multidão. Era parte de sua personalidade gostar das pessoas, viver com elas e fazer todo bem para eles. Nunca buscou retorno, elogios ou reconhecimento por isto, apenas fez o bem.

Este texto nos convida a imitarmos Jesus como discípulos. Sejamos pessoas boas como Jesus foi. Façamos o bem a todos, sempre com sabedoria e discernimento. Muitas vezes, para fazer o bem, teremos que lutar contra o mal que é muito forte. Podemos sair feridos nesta luta mas vale todo esforço por Jesus. Lembre-se que ele, que fez sempre o bem, acabou pregado numa cruz na suprema ingratidão das pessoas. Faça o bem sem esperar reconhecimento. Faça porque é seu modo de ser. Que as pessoas digam de você: “ele é um bom homem”, “ela é uma boa mulher”. Disseram isto de Jesus.

Última atualização em Seg, 12 de Janeiro de 2015 08:55
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Pagina 1 de 65

 

Copyright © 2015 Portal Batista. Todos os direitos reservados.
Rua Senador Furtado, 56 - Rio de Janeiro - RJ / CEP 20270-020 / (21) 2157-5557