Textos e Estudos Bíblicos
O DISCÍPULO INVESTE NO SEU INTERIOR PDF  | Imprimir |  E-mail
Escrito por Redação CBB   
Sex, 29 de Maio de 2015 09:34

O DISCÍPULO INVESTE NO SEU INTERIOR

Lucas 6.46-49

Hoje em dia, vivemos de aparência. Imagem é tudo. Conversava com um amigo que é advogado e ele me dizia que, para ele, ter um luxuoso escritório e um carro novo importado era importante para sua profissão, pois passava a imagem de um profissional competente e vitorioso e isto lhe garantia mais clientes e mais lucros. Palavras agradáveis e de autoajuda também estão em alta. Você deve conhecer pessoas que têm muita lábia, mas não cumprem nada do que falam. Aparência e palavras não valem nada se não forem acompanhadas de atitudes coerentes. O discípulo de Jesus não investe no exterior (aparência ou palavras), mas no seu interior, caracterizado pela obediência íntima a Jesus Cristo. É isto que ele nos ensina no final de seu sermão da planície em Lucas 6.46-49. Jesus começa fazendo uma pergunta: “por que vocês me chamam ‘Senhor, Senhor’ e não fazem o que eu mando?” (v. 46). A obediência é característica dos discípulos. As palavras não são substitutas da obediência! Andar com símbolos cristãos não diz nada acerca da relação da pessoa com Jesus. O que importa é a obediência aos mandamentos de Jesus. O próprio Senhor sabe disto e conhece suas ovelhas. Ele também sabe quem é a pessoa que usa seu nome, mas tem o coração bem longe dele. Ele não se deixa enganar com falsas palavras de amor ou atos que têm como objetivo produzir uma boa imagem da pessoa. O verdadeiro discípulo/servo produz três movimentos indispensáveis (v. 47). Em primeiro lugar, ele constantemente vem e se apresenta a Jesus. Isto significa a oração diária, a comunhão preciosa com Jesus. Em segundo lugar, ele ouve, o tempo todo, as palavras de Jesus que se encontram na Bíblia. Jesus comunicou-se conosco deixando escritos, que chamamos de Novo Testamento, para que o conhecêssemos e também sua vontade. O terceiro movimento é praticar o que se ouve. A minha pergunta é: você é uma pessoa de oração constante, que lê a Bíblia com o desejo de conhecer a vontade de Jesus e que pratica a palavra de Deus em sua vida? Ou, há muito tempo, você não faz nada disto? Com quem o discípulo/servo é parecido? Jesus responde: “é como um homem que, ao construir uma casa, cavou fundo e colocou os alicerces na rocha. Quando veio a inundação, a torrente deu contra aquela casa, mas não a conseguiu abalar, porque estava bem construída” (v. 48).

O discípulo/servo é aquele que trabalhou nas bases, no alicerce de sua vida. Não se preocupou com o exterior, com a aparência ou com o que os outros vão ver. Pelo contrário, construiu sua vida nas bases da fé, da ética, da responsabilidade, do amor. Constrói, o tempo todo, sobre a rocha que é Jesus. Ele preocupa-se com seu interior, sua personalidade, onde ninguém pode ver. É na intimidade solitária que ele tece as fibras do seu caráter e prepara-se para a vida. Aliás, foi dura a luta e a tempestade da vida.

O discípulo/servo não vai ter vida fácil. Segundo Jesus, a torrente deu fortemente contra aquela casa. Se você é de Jesus, saiba que vai passar por sofrimentos em sua vida. Alguns serão terríveis. Mas nada vai derrubar a vida do discípulo/servo! O crente que tem um bom alicerce interior fica firme na rocha. Aguenta os trancos da vida. Se hoje você está passando por duras provas, torrentes que vêm com muita força, fique firme em Jesus. Você vai superar estas provas. O alicerce da sua vida, que se manifesta em fé e obediência, manterá você de pé.

O que não é discípulo/servo só ouve a palavra de Jesus, mas não a pratica em sua vida (v. 49). Esta pessoa construiu a sua casa sem alicerce algum. Não teve uma vida de oração, não leu as Escrituras, não obedeceu aos mandamentos de Jesus. Investiu na aparência e em pensamentos tolos e mesquinhos. Fez da sua vida uma propaganda enganosa para mostrar aos outros e receber o aplauso deles. Mas quando chegou a hora da verdade, o tempo ruim que vem tanto para o crente quanto para o incrédulo, a linda casa de aparência caiu rapidamente. A personalidade não aguentou os embates da vida. A ruína desta pessoa foi grande: perdeu a vida, perdeu tudo que construiu. O povo de hoje é assim: não aguenta nada. Chamaram-no de feio na escola e agora sai matando as pessoas. Os pais não lhe dão a boa vida que ele quer, então mata os pais. A pessoa está frequentando a igreja e alguém lhe faz uma crítica, isto é motivo suficiente para nunca mais ir à igreja. No trabalho, alguém corrige algum comportamento errado que a pessoa fez, então aquele alguém passa a ser inimigo. Não passou no vestibular ou não ficou com alguém, a vida acabou e é só choradeira. Triste gente sem alicerce interior. Como você constrói sua vida? Está trabalhando sua interioridade para obedecer ao Mestre Jesus ou preocupa-se com o que os outros vão ver em você? Tome a decisão certa de ouvir e obedecer a Jesus Cristo.

Última atualização em Sex, 29 de Maio de 2015 09:42
 
BOA OU MÁ: QUE TIPO DE PESSOA É VOCÊ? PDF  | Imprimir |  E-mail
Escrito por Redação CBB   
Seg, 18 de Maio de 2015 11:20

BOA OU MÁ: QUE TIPO DE PESSOA É VOCÊ?

Lucas 6.43-45

Incentivado por minha mulher, comecei a plantar hortaliças. Tirei uma parte do piso do quintal e transformei o lugar numa horta. Coloquei terra e húmus. Comprei sementes de couve, almeirão, rúcula e agrião. Eu, um leigo inexperiente neste tipo de coisa, achei estranho as sementes destes vegetais. Alguns eram pequenas bolinhas e outros eram como um pequeno pedaço de madeira. Plantei e reguei e contei com a ajuda da chuva. Já faz um mês que eu e minha mulher não compramos mais estes vegetais porque há em abundância no nosso quintal. E que prazer comer o que nós próprios plantamos! Realmente, as sementes eram do que diziam ser. Jesus nos ensina sobre o tipo de pessoa que nos tornamos a partir do tipo de semente que plantamos. Isto encontra-se em Lucas 6.43-45.

Jesus diz: “nenhuma árvore boa dá fruto ruim, nenhuma árvore ruim dá fruto bom. Toda árvore é reconhecida por seus frutos” (v. 43). Cada árvore produz o fruto que está de acordo com sua natureza. Em termos que dizem respeito a nós, seres humanos, o fruto é o resultado da árvore. Este resultado vem do tipo de semente que foi plantado. Conhecemos a árvore pelo seu fruto mas ela própria, a árvore, se conhece pela sua semente. O próprio Jesus afirma isto: “ninguém colhe figos de espinheiros, nem uvas de ervas daninhas” (v. 44). Jesus não está preocupado com árvores mas com pessoas quando nos fala estas palavras. O que ele quer dizer com esta comparação? O fruto de cada pessoa é aquilo que ela produz: suas atitudes, suas palavras, pensamentos, sentimentos, compromissos, etc. Pelo tipo de fruto podemos conhecer a natureza de cada ser humano: se é uma pessoa boa ou má. Na convivência humana e também com Deus, pessoas que têm a natureza boa vão tender a fazer coisas boas: pensamentos bons, atitudes boas, decisões boas. Pessoas que têm uma natureza má vão tender a praticar o mal: atos maus, sentimentos maus. É claro que isto não abrange todas as produções de uma pessoa: eventualmente, uma pessoa boa fará coisas ruins e vice-versa. De uma forma geral, dá para conhecer a natureza de uma pessoa pelo que ela produz. Isto nos traz uma lição preciosa: há pessoas que preferem o mal. Tem gente que prefere ser criminoso, assassino, violento, enganador, corrupto, fofoqueiro, mentiroso, ladrão, etc. Aquele que escolhe o mal, como forma de vida, precisa ser combatido. O Estado, as leis, a polícia, o Judiciário, as prisões e casas de correção são instrumentos da sociedade para combater a maldade de alguns. O que escolhe viver o mal deve ser combatido quando age em sua maldade.

Mas, veja bem: o fruto é apenas o ato final da árvore. O que define se ela é uma árvore boa ou má é o tipo de semente que plantamos. Veja então o que Jesus diz no v. 45: “o homem bom tira boas coisas do bom tesouro que está em seu coração, e o homem mau tira coisas más do mal que está em seu coração, porque a sua boca fala do que está cheio o coração”. Percebeu qual é a semente que nos faz pessoas boas ou más? O coração! Em cada coração humano há um tesouro, ou seja, aquilo que amamos e damos valor acima de tudo. Se o coração humano ama o bem, ele vai fazer coisas boas. Se o coração humano ama o mal, coisas ruins vão ser feitas. Cada homem planta o coração com o bem ou com o mal. O tipo de conversa de cada um vai denunciar o tipo do coração.

Quero terminar explicando o que tem este texto de Jesus com a concepção protestante de que todos são pecadores, portanto, maus. Como Jesus pode falar de pessoas boas ou más se todos são pecadores? A Bíblia nos vê sempre em relações e, dependendo do tipo de relação, podemos ser bons ou maus. Quando a Bíblia nos vê em relação à Justiça de Deus, então “não há justo, nem um sequer” (Romanos 3.9). Todos somos maus porque somos pecadores. Não podemos nunca agradar a Deus ou chegar ao nível de conquistar a salvação por nossos feitos. Quando a Bíblia nos vê na relação de uns com os outros, então ela diz que alguns são bons e outros são maus, como é o caso do texto de hoje. E isto percebemos na prática quando dizemos: “o fulano é um homem bom” ou “o sicrano é mal e cruel”.

Quero lembrar que mesmo o melhor dentre nós é um terrível pecador aos olhos de Deus e, por isso, todos precisamos da graça de Deus que vem por meio de Jesus Cristo para sermos salvos. Que tipo de pessoa você é: boa ou má? A resposta a isto está naquilo que você planta em seu coração. Seguir a Jesus e viver com ele vai transformar seu coração. Certamente será uma pessoa boa como ele foi.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Pagina 1 de 69

 
Copyright © 2015 Portal Batista. Todos os direitos reservados.
Rua José Higino 416, Predio 28 - Rio de Janeiro - RJ / CEP 20510-412 / (21) 2157-5557